A soberania é inalienável | Por Jean-Jacques Rousseau

A primeira e mais importante consequência dos princípios até aqui estabelecidos é que somente a vontade geral pode dirigir as forças do Estado de acordo com a finalidade da sua instituição, que é o bem comum, porque, se a oposição dos interesses particulares tornou necessário o estabelecimento das sociedades, foi a concordância desses mesmos interesses que o tornou possível. Continuar lendo A soberania é inalienável | Por Jean-Jacques Rousseau

O que significa a ética do discurso? | Texto de Jurgen Habermas

Quem, de um modo sério, empreende a tentativa de participar numa argumentação, admite implicitamente pressupostos pragmáticos gerais de teor normativo; é, então, possível abstrair o princípio moral a partir do teor destes pressupostos argumentativos, desde que se saiba o que significa justificar uma norma de conduta… Continuar lendo O que significa a ética do discurso? | Texto de Jurgen Habermas

A Declaração Universal dos Direitos Humanos (DUDH) completa: para ler online ou para download

A Declaração Universal dos Direitos Humanos (DUDH), adotada pelas Nações Unidas em 1948, procura delinear os direitos humanos básicos. O objetivo central do documento é fazer com que os governos se comprometam, juntamente com seus povos, a tomarem medidas contínuas para … Continuar lendo A Declaração Universal dos Direitos Humanos (DUDH) completa: para ler online ou para download

A obra de arte na época de sua reprodutibilidade técnica | Texto de Walter Benjamin

À mais perfeita reprodução falta sempre algo: o hic et nunc [aqui e agora] da obra de arte, a unidade de sua presença no próprio local onde se encontra. É a esta presença, única no entanto, e só a ela, que se acha vinculada toda a sua história. Continuar lendo A obra de arte na época de sua reprodutibilidade técnica | Texto de Walter Benjamin

O verdadeiro viajante | Texto Fernando Pessoa

O único viajante com verdadeira alma que conheci era um garoto de escritório que havia numa outra casa, onde em tempos fui empregado. Não só era o maior viajante, porque o mais verdadeiro, que tenho conhecido: era também uma das pessoas mais felizes que me tem sido dado encontrar. Tenho pena de não saber o que é feito dele, ou, na verdade, suponho somente que deveria ter pena… Continuar lendo O verdadeiro viajante | Texto Fernando Pessoa

Resposta à questão: O que é esclarecimento? | Por Immanuel Kant

“Ouço clamarem de todos os lados: não raciocineis! O oficial diz: não raciocineis, mas exercitai! O conselheiro fiscal diz: não raciocineis, mas pagai! O sacerdote: não raciocineis, mas crede! […] Por toda parte, o que se vê é limitação da liberdade. […] Um homem na verdade pode, no que concerne a sua pessoa – e mesmo assim, somente por algum tempo –, adiar o esclarecimento quanto ao saber que lhe incumbe; mas renunciar a ele, seja no que concerne a sua pessoa, seja tanto mais no que concerne à posteridade, significa lesar os veneráveis direitos da humanidade e deitá-los abaixo… Continuar lendo Resposta à questão: O que é esclarecimento? | Por Immanuel Kant

Rabiscos | Por Antonio Gramsci

A mão desce sobre o papel e a ponta de aço passeia sobre a brancura descrevendo complicadíssimos rabiscos, labirintos sem saída. O pensamento aguça-se na angústia, choca-se contra as paredes para ver se elas se abrem numa passagem possível. Começa-se. Apaga-se. Recomeça-se. A expressão flui, o trabalho de aglutinação das frases e dos períodos repousa, afrouxa o esforço inicial. Convencemo-nos de ter encontrado o equilíbrio necessário entre as necessidades da própria sinceridade e as agressões irracionais da censura. Continuar lendo Rabiscos | Por Antonio Gramsci

Defeito hereditário dos filósofos | Por Friedrich Nietzsche

Todos os filósofos têm em comum o defeito de partir do homem atual e acreditar que, analisando-o, alcançam seu objetivo. Involuntariamente imaginam “o homem” como uma aeterna veritas [verdade eterna], como uma constante em todo o redemoinho, uma medida segura das coisas… Continuar lendo Defeito hereditário dos filósofos | Por Friedrich Nietzsche

A arte, obra do gênio | Por Arthur Schopenhauer

Que espécie de conhecimento examinará o que existe exterior e independente de toda relação, único propriamente essencial do mundo, o verdadeiro conteúdo de seus fenômenos, submetido a mudança alguma e por isto conhecido com igual verdade a qualquer momento, em uma palavra, as ideias, que constituem a objetividade imediata e adequada da coisa em si, da vontade? É a arte, a obra do gênio… Continuar lendo A arte, obra do gênio | Por Arthur Schopenhauer

Filosofia, prazer e morte | Por Michel de Montaigne

Diz Cícero que filosofar não é outra coisa senão preparar-se para a morte. Todas as opiniões propõem que o prazer é a meta da vida, mas diferem no que concerne aos meios de atingir o alvo. E se assim não fosse, as repeliríamos de imediato, por que daria ouvido a alguém que apontasse na pena e no sofrimento os objetivos da existência? Continuar lendo Filosofia, prazer e morte | Por Michel de Montaigne